RELATO 47 - ORIENTAÇÃO E PREVISÃO DO SR. PENA VERDE

Autor: Pablo de Salamanca


Em meados da década de 90, eu estava presente a um trabalho espiritual do Caboclo Pena Verde, que atuava e ainda atua através de uma médium amiga, com excelente conexão espiritual.

A entidade estava em frente ao seu gongá, tendo chamado a senhora Yara, que desejava uma consulta. O caboclo ouviu as queixas da consulente, que, em resumo, queria uma ajuda para as suas dores reumáticas. Ela era constantemente afligida por fortes incômodos nas articulações dos membros superiores e inferiores.

Quando a senhora Yara parou de descrever seus sintomas, o Sr. Pena Verde disse que passaria para ela uma série de procedimentos, que deveria seguir com grande disciplina. Ele enfatizou bastante que deveria também mudar radicalmente a sua alimentação e, se não cumprisse persistentemente o que iria orientar, acabaria, ao final de sua vida, entrevada numa cama. Falou ainda que precisaria modificar seus sentimentos, evitando brigas e discussões.

A senhora Yara, pessoa de personalidade muito difícil, com fortes características de arrogância, estava com os olhos arregalados. Ficou um tanto assustada, mas logo se recompôs e disse ao caboclo que obedeceria os seus conselhos à risca.

Então, o Sr. Pena Verde dirigiu-se a mim, pedindo-me para anotar suas orientações. Rapidamente consegui papel e lápis, pondo-me a ouvir a entidade, que passava uma forma relativamente complexa de uso do limão e do alho em sua dieta, com horários bem definidos. Também falou de alimentos que deveria evitar e outros que deveria adicionar às refeições. Enfim, eram vários procedimentos dos quais não me recordo mais na totalidade e que ficaram registrados naquela folha de papel, que passei às mãos da senhora Yara.

Semanas depois, encontrei-me com Yara. Ela seguia criteriosamente as orientações da entidade. Falou-me que estava bem melhor das dores. Mostrou-me como as suas mãos já fechavam e abriam, sem maiores dificuldades. Porém, queixou-se que era difícil manter a disciplina indicada pelo caboclo. 

Não demorou muito e eu soube que Yara deixara completamente de lado as recomendações do guia espiritual, voltando também a se alimentar desregradamente, bem como retomando atitudes muito agressivas com familiares e pessoas próximas.

Os anos passaram e Yara foi decaindo de saúde, passo a passo. Em 2014, a visitei e andava penosamente, se escorando em objetos ou pessoas. No ano de 2015, pude observar que só caminhava com muletas. No final de 2016, chegou-me a notícia de que ela estava entrevada numa cama. Em 2017, ela teve que ser internada, por efeitos colaterais devido às fortes medicações que usa há anos. Recuperou-se e agora, em 2018, permanece sem conseguir se locomover, presa ao seu leito em casa. Só pode sair da cama, através de uma cadeira de rodas.

O Sr. Pena Verde havia prevenido a ela sobre esta possível situação futura. A possibilidade tornou-se realidade. O aviso do caboclo tornou-se previsão certeira. Mas, porque tudo isso? Bem, posso responder a esta indagação, pois atuei um tempo como terapeuta, utilizando-me da regressão de memória como boa ferramenta de auxílio. Numa oportunidade, promovi a regressão de um parente da senhora Yara, a uma vida passada que ocorreu na época da escravidão, em solo brasileiro. Este parente narrou sua própria vida e assinalou que conviveu com Yara naquela época. Ambos eram donos de escravos mas, em especial, Yara era muito severa, ambiciosa e arrogante. Ou seja, em síntese, ela ainda hoje mantém uma personalidade muito endurecida, praticamente não se alterando em relação ao passado recente. 

Portanto, pela Lei Cármica, como Yara não se modificou em praticamente nada, acabou recebendo os impactos de seus próprios atos, muito negativos no pretérito, agora. Por não ter esboçado maior esforço, está colhendo frutos amargos, sem maior abrandamento. A vida é feita de escolhas. Ela escolheu como agir no passado e, na vida atual, teve nova oportunidade e um aviso direto de um guia espiritual. Porém, sua escolha mais uma vez não foi das melhores...

O que me resta é vibrar, positivamente, para que Yara possa despertar o lado luminoso que todo espírito tem. Agradeço à Espiritualidade, por eu estar presente no dia em que o Sr. Pena Verde tentou ajudá-la. E, por fim, deixo minha saudação ao nobre caboclo: Okê Arô Oxossi!

Clique aqui e deixe um comentário!


LIVRO DE VISITAS



VOLTAR PARA A PÁGINA ANTERIOR