RELATO 36 - SINGELO PRESENTE DE EXU

Autor: Pablo de Salamanca


Todo médium ostensivo e cumpridor de seus deveres tem a proteção de exu, inclusive no dia-a-dia material, com suas variadas atividades, sejam profissionais ou até durante o lazer.

No entanto, não se deve crer que exu seja uma espécie de guarda-costas, que impede quaisquer sustos ou desafios que a vida nos reserva. Estamos encarnados para crescimento como seres humanos e desenvolvendo-nos como criaturas espirituais.

 Além da função de proteção, os guardiões atuam também no nosso campo psíquico, transmitindo-nos orientações, quando necessário. E essas orientações ou avisos podem chegar até nós na forma de sensações, intuições ou mensagens mais diretas e claras ao campo mental.

Naquele dia, no ano de 2012, eu estava mais uma vez no centro da Cidade do Rio de Janeiro, na intenção de comprar livros interessantes, por preços promocionais. Aliás, eu já fazia isso desde a minha adolescência, conhecendo muitos “sebos” (livrarias que vendem livros usados), onde comprava ótimas obras sobre espiritualidade no geral, a preços que cabiam no bolso de quem ainda não trabalhava. Um fato interessante é que, com o tempo, eu desenvolvi uma intuição sobre onde buscar o que eu queria, quase sempre tendo sucesso em encontrar os livros dos quais eu necessitava. Às vezes, as intuições eram bem claras, ao passo que, em outras oportunidades, nem tanto. De qualquer forma, parecia-me que uma força, frequentemente, fazia-me chegar aos lugares certos para adquirir boas obras.

Bem, voltando àquele dia de 2012, eu estava no Largo da Carioca, num horário de grande movimentação. Lembrei-me, repentinamente, de uma livraria próxima a uma saída do metrô, pensando em ir até lá. Desta vez, não estava procurando nenhum livro em especial. Contudo, pela via mediúnica, ouvi a seguinte frase: “Tem um presente pra você lá!” Era a voz de um guardião conhecido.

Dirigi-me até a livraria, acreditando que acharia algo bom para comprar. Lá chegando, notei que haviam colocado, do lado de fora da loja, uma mesinha com obras em promoção. Fiquei ali, de pé, analisando o que estava exposto. Depois de um tempo, nada de interessante! Entretanto, um vendedor vindo de dentro do estabelecimento aproximou-se de mim e, abordando-me de forma direta, disse: “Tome este livro! É para o senhor! É uma obra antiga, com alguns buracos pequenos de traça, mas vale a pena ser lida! Cortesia da casa!”

Segurei o pequeno livro, sem maior reação de minha parte. Eu estava surpreso com o presente que me fora segredado, há poucos minutos, pelo exu amigo. Saindo daquele estado, enquanto via o rosto sorridente do vendedor, a minha frente, agradeci. E o homem complementou: “É Os Lusíadas, de Camões!” Agradeci novamente e fui-me embora, ainda espantado pela rapidez e forma imprevista com a qual o presente chegou as minhas mãos.

Depois, com mais calma, notei que era uma edição muito antiga de “Os Lusíadas”, poema épico de Luís Vaz de Camões, editado na cidade do Porto-Portugal, pela famosa Livraria Chardron, existente desde o século XIX. Através de pesquisa pela Internet, constatei que aquela edição do livreto já contava com mais de 100 anos de idade.

Achei muito interessante o presente e ele tinha um significado complexo para mim. Dentre os textos mediúnicos que já psicografei, estão diversos de cunho poético, embora nada que se assemelhe a envergadura de Camões. Outro aspecto a assinalar é que já fui português em vidas passadas, podendo acessar essa informação por meio de técnicas de regressão de memória.

Até hoje guardo a velha obra comigo e sou grato ao amigo guardião. Laroiê exu! Exu é mojubá!

Clique aqui e deixe um comentário!


LIVRO DE VISITAS



VOLTAR PARA A PÁGINA ANTERIOR