ARTIGO 13 - PERFIL DO ESPIRITUALISTA UNIVERSALISTA

Autor: Pablo de Salamanca

Escrito em 12 de agosto de 2011.


INTRODUÇÃO

Este artigo não é um texto que visa a ditar normas de conduta, para quem deseja se tornar um espiritualista universalista, e tampouco instituir um padrão rígido para tal. O objetivo das presentes colocações/reflexões é trazer pontos de referência àqueles que estão tentando compreender o que é Espiritualismo Universalista, e, ainda, àqueles que aspiram a viver a vida dentro de uma concepção mais ampla. Desta forma, a seguir, encontram-se questões existencialistas relevantes, comentadas conforme uma visão universalista. O conjunto dessas questões acaba por traçar, ainda que em linhas gerais, o perfil de um espiritualista universalista, muito embora reconheçamos que quase sempre haverá significativa diversidade entre aqueles que tentam assimilar/vivenciar a Inteligência Cósmica/o Todo.


QUESTÕES DIVERSAS


1- ERROS

O espiritualista universalista não é tão dualista na questão erro/acerto. Mas, dentro do contexto em que vive, quando percebe que “errou”/falhou, não fica remoendo remorsos. Logo procura compreender sua deficiência, e caminha na direção do “acerto”, dentro das circunstâncias vividas.


2- VITÓRIA

Vitória e derrota também são aspectos relativos para o espiritualista universalista, que, em verdade, sente-se vitorioso sobretudo quando superou a si mesmo. Não alardeia aos quatro cantos do mundo a sua vitória, mas felicita-se e usa seu íntimo sentimento de satisfação para avançar mais.


3- IDEALISMO

O universalista é um idealista por natureza, já que crê/almeja a uma convivência mais tolerante e ecumênica, entre as diversas vertentes religiosas/visões de vida. No entanto, embora seja um idealista, não é alienado do contexto sócio-cultural em que vive. Assim, o idealismo é um combustível essencial para o bem viver do universalista, que o usa para tornar-se um indivíduo melhor, e, por consequência, contribuir para uma sociedade mais harmônica.


4- SOLIDÃO

A solidão não é um problema para o espiritualista universalista, pois vê nela uma oportunidade de “olhar para dentro”, conhecer-se e exercitar a convivência consigo mesmo. Embora não busque deliberadamente estar só constantemente, aprecia os momentos em que a solitude ocorre. Além disso, o universalista sabe que a solidão é uma ilusão, pois todos os seres estão interligados.


5- EVOLUÇÃO ESPIRITUAL

Para o espiritualista universalista, evolução espiritual é alcançar níveis mais profundos de autorrealização e de harmonia. Ou seja, evoluir espiritualmente é muito mais um processo interno de conscientização e transformação, do que qualquer esquema de “recompensa divina” por atos de disciplina ligados a preceitos religiosos e rituais externos.


6- RELIGIÃO

O espiritualista universalista é mais voltado ao conteúdo do que à forma. Assim, não se apega a uma religião em especial, procurando assimilar o que há de positivo em qualquer uma, e deixando de lado os ritos exteriores. No entanto, pode participar assiduamente de uma determinada religião, pois consegue ver/sentir a espiritualidade vinculada a ela, além das aparências externas e normas humanas.


7- NACIONALISMO

O universalista, até pelo nome que o intitula, não terá o nacionalismo como prioridade em sua vida. Ele pode e deve amar a sua nação, como coletivo que é de consciências em evolução, situadas num mesmo espaço, tempo e contexto. Porém, o espiritualista universalista vê a qualquer ser humano, seja de cultura próxima ou distante, como um irmão espiritual também em busca de autorrealização.


8- TRABALHO MATERIAL

O trabalho material, sob uma ótica mais universal, ganha forte amplitude. Então, para o espiritualista universalista, o trabalho não se separa do seu viver espiritual. O trabalho não é apenas seu sustento, mas também chance de se autorrealizar e de contribuir para toda a coletividade.


9- FAMÍLIA

O universalista compreende que a sua família terrena é composta pelas consciências que, por motivos diversos, o Cosmos as colocou em contato íntimo consigo. Portanto, há algo importante a aprender com eles e/ou a transmitir a eles, pelo menos em boa parcela da vida terrena. No entanto, o espiritualista universalista não perde de vista que todos os seres pertencem a uma mesma e única família.


10- MORTE

A morte é apenas uma transformação. O corpo perece, mas o espírito/consciência permanece. É o que sente e vivencia o espiritualista universalista, que, por ocasião do desencarne de alguém próximo, compreende a necessidade evolutiva do ser em outras dimensões da vida.


11- DIVULGAÇÃO

A divulgação do universalismo não é prioridade para o espiritualista universalista, pois ele entende que uma visão mais ampla da vida depende de maturidade individual. Portanto, pouca valia terá uma propaganda sistemática do universalismo. Então, pode-se concluir que o universalista consciente fará muito mais uma divulgação de ideias, do que o proselitismo praticado em diversas religiões.


12- SAÚDE

A manutenção da saúde, em todos os níveis, é muito importante para o espiritualista universalista. Ele sabe que seu corpo denso é veículo para a manifestação de sua consciência na Terra, onde há aprendizados ricos a serem feitos, enquanto durar a experiência física. Assim, não é difícil perceber que práticas extremistas como jejuns muito prolongados, autoflagelação, uso de alucinógenos, dentre outras, não constam no cotidiano do universalista.


13- A VERDADE

O espiritualista universalista compreende que a Verdade é multifacetada. Dependendo do ângulo sob o qual se olhe uma questão, ali se verá uma verdade. Então, sob outro ângulo, será possível ver outra verdade. Ou seja, cada um de nós enquanto ser finito, encarnado e limitado, terá sempre uma verdade parcial. A Grande Verdade, que tudo abarca, pertence à Inteligência Universal, ou ao Todo, ou a Deus.


14- DEUS

A concepção do Divino para o espiritualista universalista apresenta diversidade, e, não raras vezes, sem contornos bem definidos. Isto porque uma boa e abrangente definição para Deus é algo bastante difícil, pois o que é finito (o ser humano) não pode assimilar o infinito. Talvez um aspecto comum à maioria dos universalistas, é que a ideia de Deus é bem menos antropomorfizada do que em grande parte das religiões tradicionais. Assim, o universalista não constrói uma concepção de Deus à imagem e semelhança do próprio ser humano. Deus transcende às características humanas, abrangendo tanto aspectos pessoais como impessoais. Há casos mais extremos de universalistas que creem na inexistência de uma inteligência individualizada e centralizadora – Deus. Assim, facilmente se nota que a diversidade de concepções é grande. Portanto, as denominações quanto ao Divino, entre espiritualistas universalistas, é bastante extensa e deixamos aqui alguns exemplos: o Incognoscível, o Todo, o Infinito, a Inteligência Cósmica, a Inteligência Suprema, a Força Suprema, o Inominável, a Harmonia Universal, o Universo, o Grande Espírito, Deus,...


15- ESTUDO

Considerando duas vertentes principais, o estudo do mundo exterior e do mundo interno, ambas são relevantes para o universalista. Enquanto o religioso tradicional nem sempre foca o seu interior, o espiritualista universalista dá muita importância ao “conhece-te a ti mesmo”. E para isso, o universalista geralmente busca acesso a práticas e/ou terapias que promovam o autoconhecimento.


16- RELACIONAMENTO SEXUAL

O universalista entende o relacionamento sexual como uma das inúmeras formas de manifestação do Amor. Assim, não vê o sexo como uma finalidade em si, mas sim uma das energias que complementa a vida. Em outras palavras, é mais um componente que contribui para a autorrealização e para a harmonia.


17- ALIMENTAÇÃO

Necessário é alimentar-se com equilíbrio para viver bem a experiência material, e não o contrário, “vivendo-se para comer”. Esta é uma visão espiritualista universalista, que não abdica do prazer ao fazer uma refeição, mas também prioriza uma boa nutrição. Nesse contexto, será possível uma saúde forte e estável, de modo a se ter bom proveito das oportunidades de aprendizado na vida material.


18- BELEZA

A beleza externa pode ser atrativa e inspiradora, mas é relativa e temporária. Então, sob este ponto de vista, o espiritualista universalista entende que mais vale a harmonia no viver, do que o cultivo sistemático da aparência exterior. O universalista, assim, se cuida com moderação, evitando um desleixo desnecessário, e se preocupando mais com seus estados interiores.


19- DIFICULDADES

As dificuldades que surgem na vida, para quem avalia os fatos de forma mais universalista, são oportunidades de desenvolver novas qualidades, em busca de soluções. Ou seja, o espiritualista universalista não interpreta as dificuldades como obstáculos a serem simplesmente destruídos.


20- AMOR

O Amor possui uma dimensão pessoal e outra transpessoal, na ótica universalista. O amor pessoal vivencia-se em aspectos variados, como nas relações marido/esposa, pai/filho, avó/neto, dentre outras. Já o amor transpessoal vai além da condição humana restrita, sendo algo mais universal em si, permitindo alguns exemplos como o amor de alguém pela natureza, pela humanidade deste planeta, pela Consciência Cósmica etc. O espiritualista universalista procura desenvolver ambas dimensões do Amor.


21- JUSTIÇA

No entendimento espiritualista universalista, a questão da Justiça apresenta-se sob dois aspectos básicos: a humana e a universal. A humana é falível e atua mais no campo pessoal. A universal não falha, transcende ao que é humano/pessoal e permeia a tudo. A Justiça Universal é o atributo da Consciência Cósmica que mantém a ordem nos mundos manifestados. Assim, por mais que aconteçam fatos que pareçam “absurdos” ou “injustos” ou “caóticos” no nosso planeta, estes são compreendidos como necessários pelo universalista, pois ele sabe que a Justiça Universal sempre ocorre. As Leis da Vida simplesmente funcionam, quer entendamos enquanto encarnados ou não, e se manifestam conjuntamente com o Amor, na sua maior dimensão.


22- HARMONIA

Harmonia é um conceito que significa a sabedoria alcançada por um ser, que sabe equilibrar os atributos de Amor e de Justiça, em seus pensamentos, sentimentos e atos. Harmonia é a meta a ser alcançada tanto pelo espiritualista universalista, como por qualquer indivíduo, quer ele saiba/perceba ou não, em seu atual estágio evolutivo. Harmonia é o “clima” do Cosmos, embora talvez não o notemos em grande parte de nossa existência terrena. A medida que expandimos a própria consciência, num processo lento e gradual, iremos entrando numa faixa mais harmônica. É questão de tempo e de desenvolvimento...

Clique aqui e deixe um comentário!


LIVRO DE VISITAS



VOLTAR PARA A PÁGINA ANTERIOR